Educação a Distância

Greve na USP e confronto com a PM

Posted in Administração Escolar, Educação a Distância, Ensino Superior, Formação de Professores, Mídia, Política Educacional, Tecnologia e Ensino, Todos os artigos, Universidades, Valorização do Professor, Violência na Escola on junho 12th, 2009 by Rafael Rocha – 8 Comments

Hoje o Futuro Professor vem se pronunciar sobre a greve na USP e o confronto de alunos, professores e funcionários com a Força Tática da PM no Campus Butantã da USP em São Paulo, na última terça-feira, dia 09.

Os funcionários da USP, representados pelo Sintusp, estão em greve desde o dia 5 de maio, reivindicando, entre outras coisas, reajuste salarial e outros direitos dos funcionários públicos. Contudo, o sindicato dos professores (Adusp) e alunos da Universidade aderiram à greve apenas nas últimas semanas, tendo como principais reivindicações a extinção da Univesp (Universidade Virtual do Governo do Estado – mais!) e a retirada da PM de dentro da Cidade Universitária. Recentemente, a ADUnicamp também aderiu à greve e se juntou ao STU, a fim de repudiar a ação da PM no dito confronto e ainda lutar pelas causas que lhe dizem respeito.

O artigo de hoje, porém, não vem falar especificamente das reivindicações dos grevistas, mas vale lembrar que as principais delas são: melhores salários; promover debates sobre a real função da Univesp; negar o novo sistema de plano de carreira docente proposto pela reitoria; e a mais recente – retirada da PM de dentro do Campus.

Veja aqui as pautas da Adusp (e aqui) e do Sintusp.

Acho que o mais importante a ser debatido aqui e esclarecido é a pauta que trata da presença da PM no campus, por ser um assunto que tomou proporções desastrosas e, infelizmente, a mídia parece não estar preparada para divulgar com imparcialidade tais informações. É por isso que deixo claro que os alunos da USP não são contra a presença da polícia no campus para fins de segurança! Porém, poucos sabem que a Reitora da USP não convocou a PM para fazer a segurança dos alunos da USP, mas sim para intervir e evitar que os sindicatos de professores e funcionários negociem abertamente com a Reitoria.

O Futuro Professor lamenta a infeliz atuação da Força Tática da PM de São Paulo sob o comando da reitora da USP Profa. Dra. Suely Vilela. Assim como lamenta ver um protesto chegar a tal situação dentro de uma Instituição de Ensino.

A polícia foi convocada pela reitora da USP para ocupar a Cidade Universitária no dia 1º de junho com a intenção de desfazer uma manifestação de piquete e ocupação que não trazia prejuízos ao patrimônio público, nem tampouco usava de violência. A Reitoria da USP vem evitando negociações desde o início da greve e, no início do mês, tomou a infeliz decisão de convocar a Polícia Militar para sitiar o espaço da Reitoria no campus, tornando impossível o acesso à Reitora pelos representantes dos sindicatos.

Até agora, os depoimentos sobre como o ato se deu são muito dispersos. Contudo, acreditamos que, seja qual tenha sido o motivo para o início do confronto, os depoimentos que correm em listas de e-mails são gravíssimos. Abaixo, reproduzo a conclusão de um desses depoimentos sobre a atuação da Reitoria, o do Prof. Dr. Pablo Ortellado (EACH-USP):

Estou cercado de colegas que estão chocados com a omissão da reitora. Na minha opinião, se a comunidade acadêmica não se mobilizar diante desses fatos gravíssimos, que atentam contra o diálogo, o bom senso e a liberdade de pensamento e ação, não sei mais.

A Diretora da FFLCH-USP, Profa. Dra. Sandra Nitrini, por sua vez, declara em nota oficial do dia 10 que:

Por volta das 17hs, mesmo com a tentativa de mediação da direção da FFLCH junto ao comandante do efetivo da PM, bombas de efeito moral foram atiradas sobre o estacionamento do prédio de Geografia e História, tendo seus gases invadido o edifício, onde se encontravam muitos professores, alunos e funcionários de nossa unidade.

Segurança

O Futuro Professor concorda que há falta segurança dentro dos campi das universidades estaduais. Porém, é bom deixar claro que a PM estava dentro do campus nesses dias apenas para “proteger” a reitora de uma manifestação sindical aberta à negociação. Esse tipo de informação curiosamente não é divulgado pela mídia.

Repito: a polícia não está dentro do campus para combater os crescentes roubos de automóveis, estupros ou o tráfico de drogas existentes na Cidade Universitária. Ela está presente apenas para impedir que alunos, funcionários e professores se aproximem da reitora para negociar. E é contra essa atuação da PM (por ordem da Reitoria e Governo do Estado) que parte da comunidade USP se põe contra. Acreditamos que o espaço universitário deve ser um templo de reflexão, debate e lutas por melhorias sociais e a favor da educação pública de qualidade, e não uma praça de guerra com reitores fechados ao diálogo.

A atual reitora – considerada inábil por boa parte dos integrantes da comunidade USP – parece não saber negociar ou mesmo marcar reuniões. Qualidade que seria imprescindível a uma presidente do Cruesp.

Não vamos aqui discutir qual o papel da polícia. Mas, de fato, não é o de defender uma reitoria de protestos de funcionários e estudantes que buscam apenas melhorias de um patrimônio público e, infelizmente, mal administrado: a educação pública. E também não é papel da Reitoria evitar diálogos com os manifestantes e tratar alunos universitários como se fossem marginais.

A reitora é uma professora como outra qualquer e que foi escolhida por uma minoria de representatividade muito pequena dos integrantes da comunidade USP. Porém, como professora, parece não compartilhar valores que separam educação de violência.

Armas, cadernos e flores

O Futuro Professor não pretende distorcer fatos ou exagerar os acontecimentos. Apresentamos aqui apenas nossa opinião sobre o fato. Entendemos que a PM estava fazendo seu trabalho e pode ter tomado as decisões que tomariam normalmente. O que está sendo questionado aqui é a má atuação da Reitoria da USP em colocar a PM no Campus para intervir (de forma desigual, vide foto) uma negociação que deveria ser mantida no nível das autoridades e representantes dos alunos, funcionários e professores.

O Futuro Professor acredita que o diálogo, em suas diversas formas, é a melhor opção para se discutir e debater os problemas da Educação e para buscar boas soluções para as reivindicações.

É importante também lembrar que manifestações como essas não ficam restritas à Universidade, já que elas referem-se à qualidade da educação pública em todos os níveis, por buscarem melhorias na formação de professores, na distribuição do dinheiro público para fins acadêmicos e exigirem que a democratização do ensino seja feita com qualidade e atenda verdadeiramente as necessidades de toda a população.

Fica aqui, novamente, nosso desaponto com o ocorrido no dia 9: um acontecimento lamentável e pouco racional para a Educação já debilitada do Brasil, que – infelizmente – faz-nos lembrar dos tristes depoimentos da repressão intelectual de algumas décadas atrás.

Como sempre, o Futuro Professor deixa aberto o espaço para os comentários a favor ou contra a greve. Temos ciência de que muitos alunos USP não aderiram à greve e não compartilham dos mesmos interesses que os manifestantes, ou nem mesmo sabem dos problemas que a Universidade vem enfrentando e a importância de se debater assuntos visando a melhoria da educação pública e melhores condições trabalho para os funcionários da USP e terceirizados.

Nosso site também está aberto a qualquer aluno, professor, funcionário das Universidades ou representante da PM para expor seu depoimento ou fazer um pronunciamento. E é em respeito aos quase 20 mil visitantes mensais deste site que decidimos colocar nossa opinião sobre o lamentável confronto da última terça-feira, que só mostra o quanto ainda temos que lutar pelos nossos direitos e por uma verdadeira democratização da Educação.

Rafael Rocha e André Pasti – alunos de Universidades Estaduais de São Paulo.

:: fotos retiradas das galerias da adusp e do limão ::

Academic Earth – Aulas Universitárias On-line

Posted in Educação a Distância, Ensino Superior, Links, Mídia, Sala de Aula, Tecnologia e Ensino, Todos os artigos, Universidades on março 17th, 2009 by Rafael Rocha – 1 Comment

 

  

A organização Academic Earth oferece online diversos cursos de disciplinas completas ministradas em universidades como Yale, Harvard, MIT, Berkeley, Princeton e Stanford.

Os vídeos estão em ótima qualidade e podem ser assistidos online ou podem ser baixados em seu computador gratuitamente.

O site oferece várias aulas em muitas áreas diferentes: Engenharia, Inglês, Filosofia, História, Religião, entre outras.

As gravações são em inglês e você ainda pode ler as transcrições de todas as aulas. Vi  a dica no site do André e resolvi postar aqui. Veja os vídeos aqui!

Cursos de férias

Posted in Educação a Distância, Eventos, Formação de Professores, Reforma Ortográfica, Todos os artigos, Valorização do Professor on dezembro 21st, 2008 by Rafael Rocha – Be the first to comment

Em tempo de férias escolares, os professores atuantes e em formação aproveitam para descansar e, claro, estudar. Muitos fazem cursos de férias, reciclagem, aprendem uma língua, especializam-se etc.

Esses cursos podem ser encontrados em suas próprias faculdades. Para isso, olhe os sites das universidades de sua região. Escolas de idiomas também sempre abrem cursos de férias. Existem também inúmeros cursos ministrados a distância (mais sobre EAD). Contudo, antes de escolher qualquer curso, seja cauteloso ao avaliar itens como qualidade e preço, por exemplo.

O que é fato e indispensável nestas férias é que o professor ou estudante, de qualquer área que seja, prepare-se para enfrentar a mudança ortográfica. Tire alguns dias de estudo para rememorar as regras antigas que continuam valendo e aprender as novas.

Uma dica simples, mas sempre esquecida: nunca deixe de saber das novidades e os cursos oferecidos em sua (antiga) faculdade, olhe sempre o site ou entre em contato para saber sobre a programação das férias!